Clube comandado por Maurício Mutti e Rachel Brandão se orgulha de oportunidades dadas a crianças a partir de 5 anos de idade e pretende disputar todas as competições nacionais da próxima temporada

2 de dezembro de 2020.

Por: Fato&Ação Comunicação

Um clube totalmente voltado para a renovação no esporte. Na primeira reportagem da série “Nossos Clubes, Nossos Mestres”, vamos falar sobre o trabalho realizado pela Academia de Esgrima Rio de Janeiro (AERJ). Um local onde as crianças têm a oportunidade de conhecer o esporte e podem evoluir na modalidade.

O projeto surgiu no final da Olimpíada 2016, quando alguns amigos de Mauricio Mutti o incentivaram. O começo foi modesto. Eram apenas ele, a esposa Rachel Brandão e um aluno. Um contraste com o momento atual, com apenas quatro anos de trabalho: já são 30 alunos, em sua grande maioria crianças, mostrando o foco principal da AERJ.

“Em dezembro de 2016, conseguimos o nosso primeiro espaço na Barra da Tijuca. Fizemos propaganda, eventos. Mas começou a deslanchar mesmo em agosto de 2017. Começamos a fazer o desenvolvimento infantil, bem concentrado nas crianças, a ponto de fecharmos o ano com as primeiras competições”, lembra Mutti.

“Em 2019, fizemos a grande virada, quando mudamos de endereço, para um local muito mais estruturado, próximo ao metrô do Jardim Oceânico. Com a chegada do técnico Danilo Fagundes, tivemos o melhor ano em número de atletas e participações. Em 2020, fomos pegos de surpresa pela pandemia”, explica.

Para superar os efeitos da pandemia do novo coronavírus, a solução foi usar o planejamento e manter os protocolos de segurança. Os treinos foram adaptados, de forma que fossem espalhados ao longo do dia. Assim, conseguiram dar atenção aos atletas, sem expor a saúde deles.

Desenvolvimento infantil

Porém, em rápida conversa, é possível perceber que nada deixa Mutti mais radiante do que falar do trabalho com as crianças. E não se trata apenas de revelar talentos para a esgrima brasileira. O foco é realmente o desenvolvimento dos pequenos.

“A primeira estruturação foi buscando o público infantil. E o grande objetivo é desenvolver pessoas através do esporte. Nosso primeiro atleta não tinha 7 anos completos. Além disso, meus alunos não fazem treinos sozinhos. Eles precisam fazer treino coletivos, independentemente do nível em que estejam”, afirma, explicando, posteriormente, seus métodos de ensino:

“Até 12 anos, não abro mão de fazer a fundamentação em florete. E incentivar o convívio entre atletas e familiares fora das pistas, inclusive em eventos sociais. Se a gente tiver um convívio quase familiar fora das pistas, nosso desenvolvimento tende a crescer e ter um resultado melhor”.

Maurício acredita que a esgrima pode ser ensinada desde cedo. Um de seus maiores orgulhos é a turma kids, com alunos a partir de 5 anos. Os frutos já aparecem. Todos os atletas infantis foram medalhistas de 2017 a 2019 no Rio de Janeiro. Em 2019, a AERJ teve o maior quórum de atletas no Campeonato Estadual. O objetivo em 2021 é disputar todos os torneios e provas nacionais.

Além disso, Mutti acredita que a evolução dos alunos pode ser obtida através do uso das imagens: “Tento dar o máximo de suporte tecnológico ao nosso pessoal, com gravações de treinos e aulas, para que o aluno possa ver o que está fazendo de errado e poder melhorar. Daqui a um certo tempo, o aluno vai poder perceber o que melhorou”.

 

FATO&AÇÃO COMUNICAÇÃO

Assessoria de Imprensa da Confederação Brasileira de Esgrima (CBE)

fatoeacaocomunicacao@gmail.com

Claudia Mendes – claudia@fatoeacao.com

Nelson Ayres – nelson@fatoeacao.com

CBE nas mídias sociais!

FACEBOOK: www.facebook.com/CBE.BrasilEsgrima

TWITTER: www.twitter.com/cbesgrima

INSTAGRAM: www.instagram.com/@cbesgrima

YOUTUBE: www.youtube.com/cbesgrima

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support