Com o espaço, a esgrima em cadeira de rodas será incluída em projeto com mais de 500 crianças e adolescentes com deficiência

 

13 de abril de 2021.

Por: Lucas Pinto – Fato&Ação Comunicação

As obras da nova sala de esgrima no Centro Paralímpico Brasileiro, em São Paulo (SP), estão cada vez mais perto do fim. Até o momento, o piso já foi adquirido, além de três pistas, três aparelhos e dez aparelhos eletrônicos de toque. Também serão colocadas câmeras e TVs para analisar os combates em tempo real. Com a nova estrutura, “a esgrima brasileira vai ganhar bastante”, segundo o coordenador da esgrima em cadeira de rodas, Ivan Schwantes.

Um dos objetivos da nova sala é atrair mais praticantes para a esgrima em cadeira de rodas e garimpar novos talentos para o futuro. Segundo Schwantes, o espaço será incluído no projeto escolar que acontece no CT Paralímpico, com mais de 500 crianças e adolescentes com deficiência. “Elas passam o contraturno escolar lá no CT, de manhã e de tarde. Praticam diversas modalidades e a esgrima também será incluída neste projeto”, conta.

Equipamentos já estão no Centro Paralímpico Brasileiro.

Ricardo Machado, presidente da Confederação Brasileira de Esgrima (CBE), ressaltou a importância do bom relacionamento mantido com o Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB): “Esta iniciativa é fruto da exitosa parceria firmada entre CBE e CPB. E, não fosse a pandemia, já teríamos inaugurado esse maravilhoso espaço para o desenvolvimento do nosso esporte”.

“Tão logo tenhamos autorização do CPB, iniciaremos as aulas no local. Esse é o objetivo, aumentar o número de praticantes aqui em São Paulo. É a maior cidade do Brasil e a que tem menos atletas de esgrima em cadeira de rodas. É um dos maiores ganhos que a gente vai ter”, completa Schwantes.

Para o futuro, o número de pistas será ampliado para seis e os fios que conectam os aparelhos ficarão escondidos no chão. A expectativa de Schwantes é grande: “O foco principal da sala é a esgrima em cadeira de rodas, mas ela também vai poder ser utilizada para a esgrima convencional”, conta.

A sala vai contar com pistas de esgrima convencional e os fixadores para as cadeiras de rodas serão colocados por cima. “Se a gente quiser utilizar com atletas convencionais, a gente pode, é só retirar os fixadores”, comenta Ivan Schwantes. Segundo ele, a sala poderá ser usada também para estágios e cursos tanto na prática olímpica quanto paralímpica.

Ainda não há previsão do CPB para a finalização das obras e para o início dos treinos. A estimativa, porém, é de que isso se concretize depois dos Jogos Paralímpicos de Tóquio, que serão realizados de agosto a setembro deste ano.

 

 

FATO&AÇÃO COMUNICAÇÃO

Assessoria de Imprensa da Confederação Brasileira de Esgrima (CBE)

Atendimento: Nelson Ayres – nelson@fatoeacao.com

Equipe Fato&Ação de assessoria de imprensa e clipagem: Claudia Mendes, Nelson Ayres, Lucas Pinto e Beatriz Ayres

fatoeacaocomunicacao@gmail.com / contato@fatoeacao.com

CBE nas mídias sociais!

FACEBOOK: www.facebook.com/CBE.BrasilEsgrima

TWITTER: www.twitter.com/cbesgrima

INSTAGRAM: www.instagram.com/cbesgrima

YOUTUBE: www.youtube.com/cbesgrima

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support