EsgrimaNotícias

Copa do Mundo de Esgrima em Cadeira de Rodas realizada em São Paulo encerrou com sucesso.

By 26 de maio de 2019 No Comments

O Centro de Treinamento Paralímpico,  em São Paulo, recebeu de 22 a 25 de maio a  Copa do Mundo de Esgrima em Cadeira de Rodas, evento organizado pela Confederação Brasileira de Esgrima, em parceria com a IWAS e Comitê Paralímpico Brasileiro.

A  competição  contou com a participação de 167  atletas de  31 países que estão em busca da classificação para os Jogos Paralímpicos Tokyo 2020. Esta etapa foi a quinta de 11 provas que somam pontos para o ranking qualificatório que levará os atletas ao sonho paralímpico.

O atleta brasileiro Jovane Guissone, Campeão Paralímpico 2012 na Espada Masculina B, conquistou a medalha de Bronze nesta mesma arma neste evento.  Para Jovane, esta Copa do Mundo teve emoções diferentes da sua participação na Paralimpíada Rio 2016, quando se recuperava de uma lesão. “Vou ser sincero, a Paralimpíada no Rio não me trouxe o frio na barriga que esta Copa do Mundo está trazendo. Talvez pelo fato de eu estar sem lesão e estar 100% focado. Meu objetivo era conseguir uma medalha na espada. Para mim está muito bom. Consegui fazer tudo o que eu queria fazer na espada: virar placar, jogar com atletas fortes.”

Para Jovane, jogar no Brasil, com o apoio da torcida também é um estímulo e jogar no espaço do Centro de Treinamento Paralímpico garante estrutura e acessibilidade que dificilmente encontrou em 11 anos de competições em outros países: “Quanto à organização do evento, acessibilidade e espaço, não há o que reclamar”.

Mônica Santos destacou as vantagens de jogar em casa, sem as alterações de fuso horário, alimentação e ainda o apoio da equipe do evento. “Para nós que estamos acostumados a jogar em diversos países, o evento aqui no Brasil não está deixando nada a desejar”, afirmou a atleta.

Os técnicos convocados para essa Copa, Ivan Schwantes e Tabea Alves, também manifestaram satisfação com os aspectos técnicos e com a organização do evento.

Para Tabea “Esta Copa do Mundo em termos de organização está dentro do padrão das provas internacionais. Os atletas sentiram um pouco a pressão de jogar em casa, mas o fato de ser no Brasil permitiu a participação de outros atletas além dos convocados, o que é muito bom para aumentar as suas experiências em eventos desse nível. Além disso, tivemos o apoio de outros técnicos além dos convocados para da comissão técnica, o que dá um suporte maior para os atletas. Pudemos contar, também, com o suporte do CPB para filmar os atletas que a gente precisa estudar para as próximas competições.”

Ivan Schwantes destaca o nível técnico bastante alto da competição, o que vem acontecendo desde que começaram as competições do período qualificatório para Tokyo, com a presença de todos os países.

“A competição em si está bem organizada. O espaço está excelente. Não temos em lugar nenhum um espaço tão bom  em uma outra copa no circuito mundial quanto esse aqui”, diz Ivan.

O técnico ressalta, ainda, “Nossos atletas tiveram um bom desempenho. Jovane Guissone conquistou a medalha de bronze, o que  não acontecia desde Tbilise, na Geórgia. Ganhar essa medalha aqui no Brasil também é importante para aumentar a sua autoconfiança para as próximas provas agora na Polônia e o próximo mundial”.

Na avaliação do Presidente da CBE, Ricardo Machado, o resultado da competição foi bastante bom. “Para nós da CBE foi um enorme desafio, pois temos apenas 5 meses de gestão à frente da esgrima em cadeira de rodas. Ainda, tivemos um curtíssimo espaço de tempo para organizar esse evento de grande porte, porém nossa equipe esteve irrepreensível em dedicação e qualidade de trabalho , reconhecidos pelas diversas delegações estrangeiras  e pela IWAS . É claro que, aliada à boa organização do evento, o espaço físico do CPB é perfeito”.

A CBE recebeu a proposta da IWAS para tornar essa copa do mundo como evento oficial no Brasil a partir do ano que vem. Por conta disso, já foram iniciadas  as análises e tratativas com o CPB a fim de viabilizar essa nova oportunidade que se apresenta.

As estrelas da competição, além do atleta brasileiro, foram o britânico Dimitri Coutya, que conquistou nesta copa duas medalhas de ouro:  na espada B e no florete B. Coutya possui 3 medalhas de bronze em jogos paralímpicos e 4 medalhas em mundiais – duas de ouro e duas de prata.

No florete feminino, em São Paulo, Beatrice Vio conquistou a medalha de ouro. Vio possui duas medalhas olímpicas – ouro na prova individual e bronze por equipes, além 4 medalhas de ouro em mundiais.

Piers Gilliver foi outro britânico com excelentes resultados na Copa do Mundo em SP: ouro na espada A e bronze no sabre A, confirmando o favoritismo  na sua principal arma.

Países participantes: Rússia, Ucrânia, França, Polônia, Hong Kong, Tailândia, Alemnaha, Japão, Coreiam Georgia, Estados Unidos, Grècia, Iraque, Canadá, Bielorússia, Turquia, Macau, Kwait,Israel, Bélgica, Finlândia, Estônia , Espanha, Argentina , Líbano e Suíça.

As maiores delegações desta competição foram – FRANÇA 19 atletas, BRASIL, 16, Rússia,  15, Ucrânia 14, Itália e Polônia com 10 atletas

Resultados: http://www.wheelchairfencing.live/en/competition/179-2019/tournament/